A história do assalto e da bateria
Lar/Acusações Criminais, Outras postagens do blog/A história do assalto e da bateria

A história do assalto e da bateria

Olhando para a história de Assault and Battery, os registros mostram alguns eventos estranhos.

Por exemplo, um julgamento que ocorreu no condado de Habersham, na Geórgia, em 1920. Durante o julgamento de Assalto e Bateria, uma mulher alta e um tanto musculosa foi chamada como testemunha do estado.

Ela testemunhou que o Réu jogou o braço esquerdo em volta do pescoço da vítima e com o punho direito, atingiu-o várias vezes no rosto. O advogado de defesa, tentando ao máximo fazer com que a testemunha se contradissesse, foi até o banco das testemunhas e pediu à mulher que mostrasse ao tribunal exatamente como o Réu agrediu e espancou a outra parte. Ela rapidamente jogou o braço esquerdo em volta do pescoço dele e deu um soco no rosto dele com o punho direito, para sua grande surpresa e para o espanto da corte reunida. Suponho que o advogado de defesa criminal deveria ter escolhido suas palavras com mais cuidado.

Depois, há a história do Autor e Réu, que saiu para atirar em esquilos cinzentos em violação de uma lei dominical (White v. Levarn, Vt. 1918). O réu atirou no boné cinza do autor, confundindo-o com um esquilo, e feriu o autor. No entanto, como o ato violava uma Lei Dominical, o caso de repente teve que considerar vários pontos além do Assalto e Agressão. Primeiro, o tribunal fez a distinção entre “acidente”, uma ação não pretendida pelo Réu e que não poderia razoavelmente ter sido prevista e evitada, e “erro”, um ato intencional, mas com a crença equivocada de que era justificado. O tribunal então sustentou que não é responsável por “acidentes”, mas é responsável por “erros”, e se o Assalto e a Bateria foi mais “erro” do que “acidente”, então o Réu era responsável, mas se foi mais “ acidente” do que “erro”, então a responsabilidade é duvidosa. Até agora tudo bem! Mas é aí que começa a ficar complicado porque tanto o Réu como o Autor estavam violando uma lei que proibia o tiro de esquilos (de qualquer cor) em um domingo. Então, a questão agora era se o Autor tinha ou não direito a indenização, uma vez que ele violou uma lei. No final, o tribunal decidiu que, embora o Autor estivesse violando a Lei Dominical, isso não deveria impedir sua recuperação de danos por Assault & Battery, apesar do fato de sua violação ter contribuído diretamente para sua própria lesão. “Sustentar o contrário seria impor uma penalidade adicional por uma violação da lei não contemplada pela legislatura e, de fato, faria com que alguém que violasse uma lei dominical perdesse todo o direito à proteção contra a devassidão de outros.”

Então, eu acho que a moral desta história é, se você for atirar em esquilos cinzentos, certifique-se: (1) você não está violando uma lei e (2) não use um boné cinza! Dessa forma, se você tiver que processar por Assault and Battery, será um caso muito mais direto – e reduzirá o custo de sua representação legal.

Mais histórico sobre assalto e bateria

Em 1919, vários homens tentaram fugir quando a polícia invadiu uma casa, na qual estavam jogando. Na confusão que se seguiu, um deles agrediu e espancou um policial. Havia algumas evidências de que o Assalto e a Bateria foram premeditados como forma de evitar a prisão. A questão que o tribunal tinha que decidir era se apenas o indivíduo que cometeu o Assalto e a Bateria era responsável ou, dada a suposta natureza premeditada do crime, todo o grupo era culpado. A autoridade sobre este ponto preciso era, naquele momento, escassa. Foi universalmente aceito que a mera presença de outra parte no momento e local de uma agressão não pode torná-la parte dela. Por outro lado, se essa pessoa incentiva a agressão, mesmo que não participe dela, ela é de fato tão culpada quanto a pessoa que a comete. A acusação alegou que os factos do processo evidenciavam a existência de um complô, pelo qual o arguido estava presente, auxiliando e cúmplice do seu irmão, autor da agressão. O tribunal decidiu que um acordo para cometer um Assault & Battery era uma ofensa passível de condenação, e todos os presentes foram considerados culpados.

Moral desta história? (1) Não se envolva em uma conspiração para cometer um assalto e agressão, e (2) se o fizer, chame um bom advogado.

Um conto de peixe

Na mesma época em que a polícia estava invadindo a casa de jogos, uma cliente comprou alguns peixes de uma loja e pouco tempo depois ligou para a loja e disse à proprietária que estava insatisfeita com sua compra. Ela foi instruída a devolver o peixe, após o que ela seria reembolsada, mas não seria mais bem-vinda de volta. Quando ela devolveu o peixe, o gerente da loja devolveu o dinheiro e disse para ela ir embora e ficar longe, quando ela se recusou a sair da loja. O gerente segurou-a pelo braço e a expulsou à força da loja. O cliente então ajuizou uma ação por Assalto e Bateria contra o gerente. O tribunal decidiu que ela não tinha o direito de permanecer no local depois de ter sido proibida de fazê-lo. Além disso, determinou que o empresário tem o direito de decidir quem pode e quem não pode entrar em seu local de negócios e, além disso, tem o direito de expulsar quem quiser e selecionar com quem escolher fazer negócios. Defendeu o direito da proprietária de expulsar o cliente à força, uma vez que ela se recusou a sair da loja porque foi informada de que a permissão para entrar na loja estava condicionada à devolução do peixe, recebimento do dinheiro e saída. Portanto, ela perdeu o caso por danos por Assault & Battery.

Moral deste conto de peixe? Quando solicitado a deixar um local de trabalho, vá sem causar problemas. Ou, se não, tenha um bom advogado de prontidão.

CONTATE-NOS

CONTATE-NOS

ACUSAÇÕES CRIMINAIS

SERVIÇOS JURÍDICOS ADICIONAIS

TESTEMUNHOS

“Caro Elliot, As pessoas não são imunes à 'fortuna' em suas vidas. O lado bom é que alguém está lá fora para salvá-los. Você é a pessoa que está salvando meu destino. Você representa 'integridade e justiça'. Você é o melhor advogado do mundo.”
“Caro Elliot, Apenas uma pequena nota cheia de sinceros agradecimentos por sua ajuda e apoio em minha defesa durante minha audiência no tribunal. Eu não posso começar a expressar o quanto estou grata por saber que esse incidente tolo e suas consequências finalmente acabaram. Mais uma vez, muito obrigado.”
“Estou sentado aqui pensando na vitória notável que você conseguiu. Eu só tinha que deixar você saber que foi uma vitória notável. Bem feito."
“Não posso começar a dizer o quanto apreciei sua orientação e apoio mais sinceros. Este foi um dos anos mais difíceis que passamos com nosso filho. Não poderíamos esperar um resultado mais positivo”.
“Queria agradecer mais uma vez. Estou no final do meu período de experiência. Eu não poderia ter feito isso sem vocês. Você foi um grande apoio. Eu só quero que você saiba que apreciei tudo o que você fez.”
“Obrigado por me representar no tribunal. Tudo funcionou para melhor. Tenho participado de todas as minhas reuniões de AA, consultado a Catholic Charities e me reunido com meu oficial de condicional. Não bebo desde o dia em que fui ao tribunal e está tudo ótimo em casa.”
“Caro Sr. Savitz, Muito obrigado por todo o seu trabalho duro, bem como sua persistência no meu caso. Eu realmente aprecio sua sensibilidade em lidar comigo sobre este assunto. Sinto-me bem com o resultado do meu caso e agradeço a você por resolvê-lo rapidamente.”
“Eu realmente queria agradecer muito. Eu não posso agradecer o suficiente. Você estava sempre lá para cumprir o que fosse exigido pelo tribunal.”
“Ficamos absolutamente surpresos e muito gratos pela forma como Elliot lidou com o caso de nosso filho e o recomendamos para qualquer pessoa que precise de aconselhamento jurídico!”

NÃO HÁ CUSTO PARA SUA CONSULTA INICIAL.
Chamar (781) 619-3147 & Dê o primeiro passo para desenvolver uma estratégia vencedora.

Advogado de Defesa Criminal

Se você estiver enfrentando acusações criminais, ligue para The Law Offices of Elliot Savitz, Scott Bradley & Kenneth Diesenhof, em (781) 917-3477.

Estamos disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana e podemos avaliar suas acusações criminais por telefone para determinar rapidamente o melhor curso de ação. Então, nosso escritório de advocacia irá representá-lo no tribunal enquanto lutamos juntos contra suas acusações.

O PRIVILÉGIO DE CLIENTE DE ADVOGADO protege sua conversa, para que você possa ser aberto e honesto com os advogados Savitz, BradleyDiesenhof qualquer que seja o encargo ou encargos. Estamos genuinamente comprometidos em proteger seus direitos e sempre agiremos em seu melhor interesse.